O começo da sabedoria consiste em perceber que temos e teremos as mãos vazias, na medida em que tenhamos ganho ou pretendamos ganhar o mundo.(HÉLIO PELLEGRINO)

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

1ºANO de faculdade

Hoje faz exatamente um ano que sai de casa, um ano de faculdade

Certas coisas a gente não esquece...

Lembro como o dia estava quente
Como a grama estava verdinha, como o céu estava azul, como estava morrendo de calor com minha calça jeans colada ao corpo e meu cabelo incontrolável grudado a minha testa, além do enorme peso da minha bagagem... Que afinal, carregava a minha casa

Um ano... De tanta aprendizagem
Ir pra universidade lhe proporciona diferentes experiências... Boas e ruins, fáceis e dificílimas
Descobrir que você será tratada por BIXÃO... E ainda que todo “bicho” tem que morrer, assusta muito no começo, você fica com receio de pedir informações e ser mandado para o lugar errado, medo de ser enganado e zoado.
Eu posso com a maior sinceridade do mundo dizer que curti muito esse tempo...
Onde pude fazer milhões de perguntas pra todo mundo, com a cara mais inocente e desinformada que podia... Que, aliás, era verdadeira porque não conhecia nada mesmo... Só exagerava nessa cara para que ninguém tivesse coragem de me enganar... GRANDE ESTRATÉGIA, funcionou completamente
Mesmo assim, consegui confundir prédios, portas, salas, ônibus
Pedindo informações conheci muitas pessoas, as pessoas parecem estar dispostas a ajudar, pelo menos, as que eu encontrei (Graças a Deus)
E sabe como pessoas do interior são, não precisam de muita coisa pra puxar conversa... Pra algumas pessoas você acaba contando toda sua vida pra outras a sua intuição te deixa em alerta, você conhece muitas pessoas diferentes, de várias partes do Brasil, acaba morando com meninas Super legais, e você fica feliz, por ter tido tanta sorte
Os primeiros dias as saudades de casa, são ofuscadas pela curiosidade de saber como tudo funciona, conhecer as pessoas, o curso, você se torna 100% empolgação, quer fazer tudo o que lhe propuserem...
Apesar de não beber e não curtir festas, acaba achando pessoas que fazem encontros lights, fica em rodinhas de violão, inventa músicas, assiste filmes, discute teorias malucas, joga sinuca, assiste a jogos de futebol, e muitas outras coisas que ficarão na sua memória pra sempre
Vai pela primeira vez a um show de rock, vê pela primeira vez um “bate cabeça” e dorme pela primeira vez fora de casa, conversa com um bêbado, vê seus amigos bêbados, sente que ali não é seu lugar
Nos finais de semana, sente muita falta de casa, da macarronada e do churrasco de domingo, pega a bicicleta e sai louca por ai, morrendo de vontade de se cansar, dá voltas ao redor dos lagos, e acaba sentada na grama contemplando a paisagem rural e escutando músicas melancólicas, ou as vezes, acaba indo conhecer algum lugar com algum amigo
Depois de um tempo, apesar de sentir que estava destinada a estar ali, a “ficha” começa a cair... Você se sente adaptada, a nova casa, a “nova” comida, as novas regras e a tudo que você tem de diferente... Mas ainda assim, a saudades de casa começa a doer... pequenas coisas te lembram seus familiares, sua casa, sua cidade e sua antiga vida, ai você procura preencher seu tempo com qualquer coisa que apareça, aulas de violão, de forró, de pintura, sessões de Heiki, vídeos-debate, aparece em encontros religiosos, encontros regionais, diretórios acadêmicos...É um período engraçado
Além de ser o período das dúvidas, onde surgem questionamentos sobre estar fazendo o curso certo, estar no lugar certo... Em alguns dias, você fica calada, reflexiva, fica pensando nos “SE” da vida, acaba pedindo conselhos, e descobre que todo mundo passa por isso, e você não está só
Se concentra nos estudos e acaba deixando as amizades de lado, tem uma disciplina que é sua pedra no sapato, fica desesperada ao pensar em não passar, estuda na madrugada, chama amigos pra te ajudar, briga com eles, se desculpa, estuda, passa, mas ainda sente que não aprendeu nada, tem professores malucos com manias estranhas, vive várias histórias cômicas que parecem acontecer apenas com você, compartilha cenas inesquecíveis com amigos, ri de piadas idiotas
Aprende coisas, descobre muitas outras, as vezes ama e as vezes odeia estar passando por essa experiência... Mas no final sempre acredita que vale a pena
Dorme todo dia agradecendo a Deus...



4 comentários:

Gustavo Monteiro disse...

realmente muito legal o seu texto!
o engraçado é que eu to indo pra faculdade mês que vem!
então... to com o mesmo receio, mas espero viver as mesmas boas experiencias!
a proposito, faz que curso?
abraçoo

Blogueira Fajuta disse...

Amei seu relato, Patrícia. Eu morro de saudades da faculdade, já faz 4 anos e 4 meses que sou formada.

E seu relato me lembrou algumas histórias minhas, como ficar perdida pelo prédio. Haha Uma vez não era pra ir na direação da Biblioteca e fui pra um lugar totalmente nada a ver. Fiquei super nervosa. O campus é grande.

Apesar de morar a com a família, algumas situações são típicas do universitário, como as rodinhas de violão e os encontros com aqueles que temos afinidade.

Ainda terás muitas descobertas e amadurecerá muito, muito mais.

Beijos.

Patricia Matias disse...

kkk
Que bom que gostaram

Gustavo...Parabéns!! Vai ver como é ser universitário.kkk (qual curso??)
Eu faço Geografia...Já estou fazendo um post sobre isso

Bl.Fajuta
...Ahh Já imagino que qdo acabar morrerei de sdds

Lucas Berb. disse...

Que incrível ler isso, meio que dá pra se imaginar em cada uma das situações. Bom, ainda faltam longos dois anos pra mim ir pra faculdade, mas só espero que eu tenha a mesma sorte e que possa ter experiências tão boas quanto.
Boa sorte pra ti aí nos próximos anos, beijos.